A Importância das brincadeiras criativas

“As brincadeiras lúdicas são tão importantes no ato de brincar como os livros no ato de estudar”
Brian Smith, Universidade da Pensilvânia

Desde os primeiros anos de vida as crianças já sabem lidar com todo tipo de tecnologia. Games e computadores fazem e farão parte do seu cotidiano, mas eles não podem substituir as outras brincadeiras e as relações interpessoais.

Não faltam provas de que brincar nos seis primeiros anos de vida é a melhor maneira das crianças desenvolverem todas as suas habilidades. A brincadeira criativa é o combustível que move o foguete da curiosidade e que leva a criança direto ao mundo do aprendizado.

Depoimentos de Autoridades

“É preciso oferecer as crianças um mundo tridimencional mais interessante.”
Susan Greenfield, neurocientista da Universidade de Oxford

“As brincadeiras são tão importantes no ato de brincar como os livros no ato de estudar.”
Brian Smith, Universidade da Pensilvânia

Crianças que tem contato com brincadeiras criativas nos seis primeiros anos de vida, aumentaram 15% seu desenvolvimento de linguagem em relação às crianças que estavam fora da brincadeira.
Universidade de Washington

Crianças que se divertem com brincadeiras lúdicas, se saem melhor nos testes de QI e de leitura Além disso, são menos ansiosas.
Universidade College London

A importância do ato de BRINCAR

Sabe-se lá porque alguém decidiu que desenvolvimento e brincadeira não podem caminhar juntos... como se um pudesse atrapalhar o outro.

Brincar é a gasolina para a criatividade. Uma criança mais criativa se torna uma criança mais curiosa. E curiosidade é o fogo do aprendizado.

“Brincar” é o segredo da criatividade, porque faz tudo que ela gosta e precisa: Facilita a aprendizagem, o desenvolvimento pessoal e social, colabora para uma boa saúde mental, expressa impulsos e sentimentos, auxilia no desenvolvimento cognitivo, na capacidade de concentração e atenção.

Topo

É possível que uma criança seja mais criativa do que outra? Como potencializar o desenvolvimento das crianças?

Parte da inteligência é determinada pelos genes e outra é influenciada pelo entorno. Os pesquisadores estimam que, em média, 40% seja herdado geneticamente e o restante, influência do ambiente. Assim, como 60% da inteligência depende do contexto é possível, sim, ajudar as crianças a desenvolverem suas potencialidades.

A maior parte das transformações do cérebro ocorre nos seis primeiros anos de vida, nesse período ocorre o que os neurocientistas chamam de "poda" cerebral. Dessa forma, é fundamental que a criança receba os estímulos adequados nos primeiros anos de sua vida para se tornar um adulto mais inteligente, criativo, confiante e equilibrado.

As crianças de hoje brincam cada vez menos, gerando uma sociedade de adultos mais ansiosos e menos criativos, segundo a Universidade Temple, na Flórida. Para ativar a inteligência, não é preciso ir longe. Brincadeiras lúdicas e divertidas estimulam as crianças a explorar o mundo e seu entorno de uma maneira prazerosa e divertida.

A Universidade de Washington fez um teste utilizando brincadeiras manuais com crianças visando estimular sua criatividade. Testes feitos seis meses depois apontaram que essas crianças aumentaram 15% o desenvolvimento de linguagem em relação às crianças que estavam fora da brincadeira. Por quê? Porque, quando você se dispõe a construir algo, precisa pensar a respeito com o que tem em mãos, sonhar um objetivo, imaginar como ficaria pronto, recomeçar sempre que preciso e finalizar o que planejou. Se precisar, vai ter que mudar de ideia, muitas e muitas vezes. Porque esse é o pensamento criativo: nada está pronto, nada é de uma maneira só. Muito menos a educação do seu filho, não?

Pesquisa recente da Universidade College London (Inglaterra) também reforça a ligação entre brincadeira e inteligência. Ao acompanhar crianças até a adolescência, os cientistas notaram que aquelas que se divertiam com brincadeiras lúdicas, se saíam melhor nos testes de QI e de leitura do que as que não brincavam. Além disso, eram menos ansiosas.

Não faltam provas de que brincar na infância é a melhor maneira das crianças desenvolverem todas suas habilidades. Não perca tempo e comece a brincadeira com a Arte Surpresa!

Topo

Como os adultos podem estimular a formação de crianças mais criativas, curiosas e inteligentes, além de menos ansiosas e estressadas?

Segundo a teoria do psicólogo e jornalista norte-americano Daniel Goleman, o papel dos pais no desenvolvimento da criatividade de seus filhos é essencial. A maneira como eles interagem com a criança, com estímulos emocionais ou cognitivos, vai afetar a formação da inteligência dela, não só pelos recursos que os pais podem prover, mas simplesmente por incentivar a criança a tentar e dividir com ela seus aprendizados e descobertas. É de suma importância que os pais estimulem positivamente seus passos criativos e valorize o que seu filho faz. Ele precisa sempre saber os pais estão ali com eles, isso traz segurança, confiança e autoestima para tornar ainda melhor o processo de desenvolvimento infantil.

Até mesmo a Academia Americana de Pediatria anda fazendo campanha para os pais brincarem com os filhos e se concentrarem, nas brincadeiras lúdicas do que focar tanto nas novidades hi-tech (sim, só computador e games não valem!). Brincar com as crianças permite que os pais presenciem o milagre do desenvolvimento da mente, que acontece ali na sua frente.

O importante é fazer com que as crianças tenham espaço e tempo para explorar seus próprios interesses, construir, produzir e criar coisas. Computador e games não oferecem esse tipo de estímulos.

São milhões de pais e mães preocupados, dispostos a qualquer coisa para ajudar os filhos na batalha por um lugar ao sol. Mas será que eles estão fazendo a coisa certa? Ou estariam esses bem- intencionados pais gastando seu dinheiro à toa?

O problema da atualidade é que os pais temem que seus filhos fiquem aquém das outras crianças, então criam todo tipo de atividades intelectuais, cursos de arte, música, reforço da escola. Tudo para que eles estejam sempre à frente. Passou-se a acreditar no erro de que, se as crianças tiverem uma enxurrada de informações mais cedo, o cérebro delas vai se desenvolver mais e mais rápido.

O símbolo disso são os flash cards (cartões com figuras e um texto de informações atrás. Os pais mostram a imagem a crianças pequenas, às vezes ainda bebês, e lêem exaustivamente o texto para que elas absorvam as informações). Eles representam um tipo de aprendizado baseado na memorização em vez da construção do significado.

Além da ansiedade dos pais, há outros "concorrentes" da brincadeira livre e lúdica: a televisão, os videogames e DVDs ditos educativos. Contudo, um estudo realizado pela Fundação Kaiser Family, dos EUA, não encontrou qualquer evidência de que esses produtos sejam capazes de aumentar o desempenho das crianças. Segundo a Fundação, além de não cumprir o que prometem, esses produtos roubam tempo que poderia ser dedicado a atividades realmente enriquecedoras, como brincar com os pais.

Nos Estados Unidos, 25% das crianças com menos de 3 anos têm uma televisão no quarto. O "tempo de brincar" infelizmente se transformou no "tempo de assistir", tornando as crianças de hoje cada vez mais ansiosas e menos criativas. Não caia nesse erro com seu filho. Comece a estimulá-lo corretamente desde já com a Arte Surpresa !

Topo

A importância da criatividade na vida adulta

Os pais sabem que, hoje, para se destacar, as crianças têm de pensar criativamente. Criatividade é pré-requisito em classificados de empregos, nos mais diversos setores. Não é raro que os encontros motivacionais em empresas coloquem adultos para brincar.

Dados do Mailman Segal Institute of Childhood Studies, na Flórida, mostram que o poder de imaginação de um indivíduo contaria mais no futuro acadêmico dele do que os tradicionais testes de aptidão, que apenas medem a inteligência.

A ênfase exagerada na lógica inibe o processo criativo, porque a vida é cheia de ambiguidades. O sistema educacional é eficiente no desenvolvimento do pensamento concreto, mas não estimula o pensamento difuso. Pelo contrário, tenta eliminá-lo.

Os testes de QI não medem o talento outras habilidades como criatividade e imaginação. Para o sistema, pensar é ter lógica. O problema é que, ao entrar no mercado de trabalho, exige-se justamente capacidade criativa, sensibilidade e coragem de ousar. E não é só na vida profissional. Quantas vezes precisamos de soluções criativas na nossa vida pessoal? Por tudo isso, aproveite a infância do seu filho, ainda dá tempo de fazer algo por ela! Primeiro passo: não dá para ser criativo sem liberdade para pensar diferente.

Topo